terça-feira, 20 de abril de 2010

HOMENAGEM-DESPEDIDA AO EDE E O NOSSO PROJETO ECOLÓGICO SOLAR DOS PÁSSAROS


“É na Floresta e não nos livros que encontrarás a Vida Superior.”

A revista “PEOPLE”, de Goiânia, chegou-me às mãos através de minha caixa postal 159, na agência central dos Correios de Anápolis. Pela primeira vez esta publicação que é pura excelência - no gênero, em Goiás - não foi bem-sucedida em seu comentário pífio, em detrimento de uma personalidade tão atuante, querida e brilhante.

Encontrei perplexo, à página 44, na coluna “Caminho das pedras”, uma ínfima nota divulgando o falecimento do meu caríssimo amigo EDE - Edgar Miller - gaúcho de Novo Hamburgo e que adotou Pirenópolis, como “seu lugar no planeta blue”, há mais de 25 anos.

Ontem – à tarde chuvosa típica do período natalino - surpreendeu-me com incontidas e intermináveis lágrimas. Lá fora chovia a cântaros, numa cachoeira, transformou-se o meu rosto. Lembrei-me da figura humana expressiva e singular do EDE. Puro idealismo. O John Lennon de Pirenópolis. Fundou a sua querida Comunidade Alternativa, sonho holístico do III Milênio, que todos conhecíamos por FRATER; “FRATERUNIDADE do Vale Dourado”, um pequeno shangri-lá encantado e mágico, há exatos 7 km do centro histórico da cidade mais interessante do estado. Antes do portal de entrada a ponte sobre o Rio das Almas, contempla-se, em êxtase, as águas cristalinas e transparentes com milhares de peixinhos visíveis.

Em volta da sede principal – a casa do Ede – ele construiu umas oito casinhas pra receber os amigos que visitavam a Frater. Oportunamente, hospedei-me numa destas casinhas aconchegantes umas três vezes.
Numa dessas ocasiões tive o privilégio imperdível de ouvir o Ede tocar sua cítara, no templo ecumênico, que ele ergueu no local, e sua bela voz, infinitamente serena, cantando Mantras indianos, que tocaram fundo o meu coração...

Como Jornalista e Escritor e leal amigo, não poderia deixar de registrar este pequeno réquiem, visto que, lamentavelmente não pude ir ver o Ede pela última vez, porque só soube através da revista People, e, portanto, não fui informado - como diríamos nós, os rosacruzes – de sua transição.

Foi um dos fundadores da Rádio Clube Jornal Meia Ponte, aonde mantinha um programa semanal, e a última vez que nos vimos lá, ele disse-me cheio de orgulho: - “Eugenio, leio com freqüência seus belos textos do livro que me deste, o seu querido “Florestrela”.

Ede se foi e deixou um imenso vazio, milhares de amigos e admiradores, entre os quais me incluo humilde e solenemente.
Inesquecíveis Asas de Saudade, meu caro amigo EDE! Que a Eterna Luz da Sabedoria Cósmica o ilumine no Plano Infinito. Paz e Luz, fráter! Maktub. Namastê. Até a próxima. Até breve. Até sempre! Assim seja! ADEUS, EDE, AH, DEUS!

Meu sonho de consumo ou projeto visionário e utópico consumista é tão-somente disponibilizar de numerário suficiente, ou esperar que caia do céu, afinal sou um otimista de carteirinha e quem me conhece sabe perfeitamente que CREIO EM MILAGRES! Já que coleciono dois através da minha devoção fervorosa e convicta em SÃO JUDAS TADEU – primo de JESUS – e pra quem não sabe vai aí uma informação inédita: São Judas Tadeu é o Santo de devoção – embora místico e esotérico – do grande escritor Paulo Coelho e do C.R. FLAMENGO!...

Voltando ao tema: meu único e magnífico e ecológico sonho de consumo é: pura e simplesmente adquirir um sítio – que por sinal já tem nome – “SOLAR DOS PÁSSAROS” cuja localização deverá ser no interior de Minas Gerais, Mato Grosso ou Goiás. Será como um santuário de preservação dos pássaros, visto que, desde tenra idade eu AMO OS PASSARINHOS de todas as plumagens, espécies e portes. Muito provavelmente, terei que viajar muito para adquiri-los, obviamente, com autorização do IBAMA para o interior da Bahia, Minas Gerais, Goiás, Acre, Rondônia, Amazônia etc.

Meu sítio “Solar dos Pássaros” avalio, não necessita de uma área superior a 90 hectares; imprescindível que disponha de muita árvore, uma reserva florestal de pelo menos cinco alqueires e, principalmente, muita água corrente, cristalina e pura. A propósito, por acaso algum colega escritor conhece alguma “escola técnica” formadora de “ORNITÓLOGO”? Favor informar-me via correio eletrônico, ok?

Concluo com um convite: assim que realizar concreta e efetivamente o meu SONHO AZUL DE CONSUMO, fica oficiosamente combinado que o “Solar dos Pássaros” será, doravante, o local de re (encontro) de todos os amigos amantes do belo: artistas-plásticos, escultores, músicos, filósofos, poetas, pensadores, escritores, jornalistas e ambientalistas, esses “bravos guerreiros da Luz e da Consciência Cósmica: holísticos do 3º Milênio”, companheiros do vôo-utopia rumo à renovada “alquimia do Verbo”.

(Eugenio Santana é escritor, poeta jornalista e místico Rosacruz.)

sábado, 17 de abril de 2010

PODEMOS PASSAR DO ESTADO DE "AMAR AS COISAS E USAR AS PESSOAS" PARA "AMAR AS PESSOAS E USAR AS COISAS"


Além de importante para mudar o mundo, um estilo de vida mais simples baseado em simplicidade e alegria suave nos ajuda a fortalecer os laços com a nossa família e a comunidade em que vivemos.

Precisamos suplantar nossa atitude contemporânea de não querer compartilhar e de não querer depender uns dos outros.

Estamos trabalhando feito escravos para manter uma porção de objetos que, em sua maioria, ficam guardados no armário ou são colocados na prateleira. Adquira o hábito de se desfazer de um item velho para cada item novo que comprar. É um sentimento maravilhoso não estar sobrecarregado por posses em demasia.

Podemos sair para dar um passeio ou nadar, ou ver um filme juntos. Quando compramos um presente para oferecer, não é em uma data especial, é apenas algo que sabemos que seria perfeito para aquela pessoa, ou que já sabemos que ela precisa. (Eugenio Santana, FRC – fragmento/copidesque.)

sexta-feira, 16 de abril de 2010

EU SOU UM NÚMERO 9


Sabedoria. O 9 é o Número da compaixão. É o último dos Números e acumula a experiência de todos os outros. Idéias novas sempre brotam na cabeça das pessoas que estão sob a vibração dele. São idéias voltadas o Bem, em especial dos outros. O 9 é assim: trabalha, trabalha, realiza, e no final dá tudo para os outros. Bobo? Mas, afinal, o que é ser bobo? O 9 se realiza ao saber que está fazendo alguém feliz.
Sua Sabedoria faz deste “bobo” um nobre na arte de viver. Sente-se motivado com o êxito dos seus feitos, contudo não se importa se não é elogiado, pois a gratidão pode estar por trás de um simples olhar ou do mais inocente sorriso.

Um amigo está com problema e não tem dinheiro? Há uma creche precisando arrecadar fundos? Quando tudo parece perdido, o 9 surge e cria uma solução que ninguém imaginou. Suas idéias acabam vingando e dando certo. É o salvador da pátria. E tem mais um detalhe que torna o 9 definitivamente diferente dos números anteriores: faz tudo por AMOR, sem esperar nada em troca. Mas se não tomar cuidado o 9 pode se envolver tanto na solução dos problemas dos outros que acabará deixando a si próprio e sua família em segundo plano. Portanto, suas principais características são o Amor pelo próximo, compaixão, sabedoria, espiritualidade, altruísmo, desapego a bens materiais, criatividade, solidariedade.

O 9 traz a generosidade e o espírito humanitário desenvolvidos ao longo das suas vidas passadas. Ficou sempre à disposição dos outros, colocando seus próprios assuntos em segundo plano. Aprendeu a se doar em favor da comunidade ou daqueles que mais estima. Abraça uma causa humanitária, dando não só seu afeto como também seu conhecimento e experiência. Explora sua capacidade em circunstâncias onde pode ser generoso e onde pode usar os seus talentos criativos.

É visto como alguém com talento especial, com um desejo de ajudar todos sem esperar nenhuma recompensa. É desprovido de qualquer pré-conceito. As pessoas o reconhecem pelo seu espírito solidário e afetuoso; luta não só pelos seus ideais, mas também pelo dos outros. É persistente, energético e determinado. A sua MISSÃO estará focada na transmissão de sabedoria.

Terá sucesso se aproveitar as oportunidades que surgirem, atuando em organizações de proteção ao Meio Ambiente ou como professor, líder religioso, veterinário, jornalista, escritor, enfim, você possui muitos talentos nas mais diversas áreas.

*(Eugenio Santana, FRC – escritor Rosacruz; numerólogo, místico Iniciado 9º G, Editor, Publicitário, Copy-Desk, Jornalista e Relações Públicas; fundador do jornal “Verbo-Pássaro”, colaborador/cronista de jornais de Goiânia e Anápolis, tais como: “ANNAFOLHA”, “TRIBUNA DE ANÁPOLIS” e “JORNAL OPÇÃO”, entre outros.)

sábado, 10 de abril de 2010

ALÉM DOS OLHOS INCANDESCENTES (*)


Apesar da Cruz,
o perfume da Rosa.

Além do corpo,
invólucro vertical
- a alma
sopro da vida.
Flor-essência
do espaço-tempo
vital.

Apesar do ego periférico,
prisioneiro de valores estagnados,
a percepção do Eu Superior:
fio condutor do encontro
com a Verdade, a Luz, o Amor.

Apesar dos estigmas e cicatrizes,
percalços cotidianos,
há perspectiva de vida
depois da vida:
viagem anímica nas Asas
do Plano Infinito.

Apesar do profano,
o místico Iniciado;
apesar das dívidas e dúvidas,
as dádivas alcançadas.
A crisálida transmutada
em inefável borboletalada!

(Eugenio Santana, FRC – escritor Rosacruz.)

(*) extraído do livro “FLORESTRELA”.
Hórus/9 Editora, Gyn-GO, 2002, página 35.

COMO A FILOSOFIA MUDOU A MINHA VIDA?


Como a filosofia mudou a minha vida? Não sei, visto que, estou ligado à Ordem Rosacruz, AMORC, a partir dos 22 anos. Confesso que eu não conheci outros caminhos, exceto quando li, aos 11 anos, Platão, Sócrates, Aristóteles, Spinoza, Nietzsche e Cioran, entre outros. Reconheço que os estudos das monografias iluminaram minha vida, que pautada pelo Código de Ética Rosacruz, jamais precisei apresentar justificativas, mormente quando me apresentava no Sanctum Celestial ou Shekhinah.
Continuo auxiliando na luta contra os tradicionais inimigos da Ordem: o fanatismo, a ignorância o pré-conceito e a superstição. Utilizo um dos predicados que o Criador concedeu-me, junto com todos os seres humanos, o livre-arbítrio, não só para ter alegria no viver, mas também para, espontaneamente, agilitar meu autoconhecimento e, assim, poder ser útil na evolução da humanidade. Enfim, sou e espero continuar a merecer o privilégio de permanecer como um leal soldado da Ordem Rosacruz, AMORC. (Eugenio Santana, FRC.)

sexta-feira, 9 de abril de 2010

A ARTE DE DECIDIR


Avançar existencialmente implica tomar uma série de decisões, sobre assuntos que variam do mais corriqueiro ao mais grandioso. Implica, consequentemente, doses adequadas de ousadia, criatividade e bom-senso – qualidades das quais muitas pessoas ainda são bem carentes hoje. Mas é só exercitando-se nas decisões que aprenderemos a melhorá-las cada vez mais.
Faça um roteiro com suas aspirações, estipule um prazo para que se realizem, consulte-o de vez em quando e perceba se está se desviando do caminho. Reformule, tome novas decisões e volte ao rumo desejado. Decidir é assim: um exercício diário que, quanto mais se pratica, mais simples se torna.
Qualquer que seja a resposta que poderá vir influenciar sua decisão, ela sempre virá de dentro de você, e nunca da cabeça de outra pessoa, por melhor que ela possa ser.
Faça escolhas e sinta o prazer de satisfazer suas vontades. Ouça a sua voz interior e faça com que ela se manifeste em alto e bom som. (Eugenio Santana – fragmento/ copidesque)

sábado, 3 de abril de 2010

LUZES E SOMBRAS DE PARACATU


A visão mística das palmeiras seculares
Da Igreja Matriz de Santo Antônio.

Minha “Primeira Comunhão”.
Paracatu: “Atenas de Minas”.
Apenas o brilho farto
Do ouro recordável – antena mineira!

A outra face da menina:
“Fia” – amor; convite paradisíaca ilha.
Tece a luz e os sonhos azuis
No esplendor dos cabelos
E dos negros olhos.
Escorre as águas dos córregos da infância.
Túneis, grutas, corredores, corredeiras:
- Avante, meninos!

Flor do tempo: Dasília...
Amada flor do agreste,
Noroeste, Minas Gerais.

Saudade daquela menina morena jambo,
Cor de cravo, de canela,
Emitindo fascínio e beleza
Nos primeiros anos de volúpia.
Silenciosos orgasmos. Solitários espasmos.

Jamais olvidar a terra-mãe – Paracatu do príncipe.
Luzes e sombras, riquezas, belezas, pobrezas.
Reminiscências. Espelhos d’alma.
Caleidoscópio de sonhos cor do ouro
Que povoaram meu chão-de-infância
Nas pesadas pegadas léguas percorridas
No interminável diário de estrada
De um mineiro-menino Toninho...

Resgatar e revisitar o menino tímido,
Acanhado e introspectivo daqueles velhos tempos.
Que pena!
Penazul...
Pazul...
Não tenho “o teu retrato na parede”,
Minha querida Paracatu do príncipe.
Tenho, sim:
Uma tatuagem irremovível
Com o teu nome gravado
Para sempre nas Asas da Memória!

(Eugenio Santana)

(*) fonte: extraído do livro “FLORESTRELA”
- Hórus/9 Editora, Goiânia-GO, 2002, páginas 69/70.