segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

INVENTÁRIO DE CICATRIZES II (*)

As Flores foram podadas – algumas murcharam; O jardim suspenso de Adília “das flores” – desfigurado. O seu jardim-pomar – irreconhecível Será que tudo é dinâmico e mutante? Miosótis imortal de minha vida... As Rosas, a madressilva, a flor-de-maio, A “nossa” Flor-Estrela, o meu cactus no alpendre; A dama da noite, as frutas do pomar – sobreviverá Mamãe? E as lindas samambaias suspensas no alto – choram por ti! Coração-partido circulo pela casa com o rosto desfigurado E a alma imolada. Simurgh – apesar da clausura – chora as lágrimas Que só os cães possuem... Marinez – minha irmã-ébano branco lírio – está inconformada E se fechou na Dor e no Silêncio; E não raro, as lágrimas desfilam pelo rosto de nossa negrinhamada E ela recebe as mensagens dos Anjos de Luz que cuidam de ti... Quero, Mamãe, num breve amanhã vê-la Cuidando do teu jardim, regando tuas plantas, Vivenciando seu passeio dominical à sua chácara de Joanápolis... Fortalecendo seu espírito nas Missas da Igreja São Sebastião E acarinhando suas netas menores – Camila e Gabriela... E, principalmente, aconchegando em seus braços e macio colo O novo infante carioca Arthur Emmanuel... Especulam, Mamãe, que é imortal o espírito Mas sem a tua presença aqui no plano físico Minha vida perderá sentido e vitalidade... Sinfonia do Adeus? Não. Há Deus para curar-te! Sei que chegará aos três dígitos Para a nossa alegria e contentamento. Uma lancinante Dor na Alma? Ou um inútil Inventário de Cicatrizes? (*) Eugenio Santana, FRC – escritor, jornalista, publicitário, ensaísta e poeta Anápolis, Goiás, 14 de abril de 2010 – 9h49 IMPORTANTE: aos 2 de maio de 2011 minha mãe faleceu, descansou,passou pela Transição. Cumpriu sua Missão no planeta-escola e desde então minha vida se fragmentou; não sou o mesmo e luto até hoje para superar o LUTO. Todas as tentativas, inúteis. Creio que será interminável...

domingo, 17 de fevereiro de 2013

A VISÃO DISTORCIDA DO SIGNIFICADO DE ALMA-GÊMEA (*)

Certa vez, um discípulo perguntou ao seu Mestre já muito idoso, por que ele nunca havia se casado e o Mestre respondeu: Eu procurava a Mulher perfeita, a minha metade e, assim, várias mulheres foram surgindo em minha vida e as virtudes que eu buscava e que me preenchiam e satisfaziam; ora encontrava e outras horas não, quando era inteligente, não era culta, quando era sensual, não era bonita, quando era organizada, era irascível e por aí afora... Você está afirmando que jamais encontrou a Mulher perfeita? Encontrei, encontrei sim, mas aí foi Ela quem me disse que buscava o Homem perfeito e que Eu não era ele... A energia do amor é fundamentalmente calma e pacífica, alegre, descontraída e inspiradora. Não é pesada, exaustiva nem trágica. Algumas vezes, vocês se convencem de que precisam ficar juntos porque “compartilham o mesmo carma” e precisam “resolver algumas questões juntos”. Vocês utilizam a “natureza do carma” como um argumento para prolongar o relacionamento, enquanto vocês dois estão sofrendo imensamente. Na verdade, vocês estão distorcendo o conceito de carma. Vocês não resolvem um carma juntos: o carma é uma coisa individual. Cada um tem responsabilidade apenas por si mesmo. É essencial entender isto porque esta é uma das principais armadilhas nos relacionamentos. Vocês não são responsáveis pelo seu parceiro e ele não é responsável por vocês. A solução dos seus problemas não está no comportamento da outra pessoa. Todos procuram sua cara metade, ou sua ‘alma gêmea’, como costumamos chamar e devemos entender que os relacionamentos de terceira dimensão, os chamados “relacionamentos cármicos”, precisam acabar. São ligações em que os parceiros carregam emoções não resolvidas dentro de si, tais como culpa, medo, dependência, ciúme, raiva e devem evoluir para acompanhar a mudança cósmica. O objetivo desse tipo de reencontro é proporcionar às pessoas uma chance para se entenderem como irmãos e fazerem escolhas diferentes das que fizeram em outras vidas. Nessas uniões se repetem padrões emocionais vividos em outras épocas para que os envolvidos desenvolvam uma forma mais iluminada de lidar com a mesma situação. Esses encontros exercem uma forte atração que impele as pessoas a unirem-se com intensa paixão, parecendo terem encontrado sua alma gêmea. Contudo, os parceiros acabam num envolvimento conflituoso onde poder, controle e dependência tornam-se a tônica do relacionamento. O encontro emocional de outrora, que gerou cicatrizes e traumas emocionais, funciona também dentro da Lei de Atração. São relacionamentos destrutivos onde não existe amor e respeito. A intenção do Plano Infinito nestes casos é que ambos consigam se desapegar com amorosidade. Uniões que causam emoções intensas, tristezas, angústias e os envolvidos não conseguem se libertar são carmáticos, pois a energia do amor é alegre, calma, dá segurança, estabilidade e nos inspira coisas boas. A visão distorcida do que significa alma gêmea faz com que as pessoas procurem sua outra metade, ilusão que as leva para fora de si mesmas, esquecendo-se da sua origem divina, onde somos inteiros; somos o masculino e o feminino, somos o todo. ‘Ninguém é metade de ninguém. ’ Somos inteiros, somos yin e yang, e enquanto não aprendermos a reconhecer cada uma dessas partes dentro de nós e integrá-las, estaremos atraindo relacionamentos de dependência. Então, não existem almas gêmeas? Elas realmente existem, mas, são idênticas em sentimento, em amor, vibração, princípios e ética. São seres livres e independentes, que escolhem compartilhar sua vida com outro ser igual em essência. Não estão juntos para resgatar ou aprender alguma coisa, pois almas gêmeas não têm função na dualidade. Seus propósitos são sempre divinos, cósmicos. Somente quando nos identificamos com a divindade dentro de nós, somos capazes de encontrar nossa alma gêmea. Quando nos tornamos conscientes de nossa unidade, nossa jornada de volta à casa do Pai começa. Tornamos-nos menos ligados a coisas externas, como status, fama, dinheiro ou prestígio. Compreendemos que a chave da felicidade não é a experiência em si, mas sim, a forma como vivemos esta experiência. Criamos nossa própria felicidade ou infelicidade através da consciência evoluída. Concluo com as sábias palavras de Luz do Mestre El Morya: “quanto às chamadas Almas Gêmeas, seu encontro não se dá senão pelo merecimento, por mais incessante e imperativa que seja a busca. E, caso ocorra sem o pressuposto Maior de, juntas, atingirem a Perfeição, o encontro será efêmero como uma flor que, uma vez colhida, perde o viço, o perfume, a existência...”. (*) Eugenio Santana, FRC – Escritor e Rosacruz; poeta, jornalista e ensaísta literário. Ativista do Greenpeace; colaborador da “Revista Planeta Água”. Autor de livros publicados. Sócio da UBE-GO/SC. Membro efetivo da ALNM – Academia de Letras do Noroeste de Minas, cadeira número 2