sábado, 31 de agosto de 2013

CONSUMISMO COMPULSIVO E IMPULSIVO (*)

Todos desejam uma vida digna para os despossuídos, boa escolaridade para os iletrados, serviços públicos ótimos para a população inteira, isto é, educação, saúde, transporte, energia elétrica, segurança, água, e tudo de que precisam cidadãos decentes. Contudo, o que vejo são multidões consumindo, estimuladas a consumir como se isso constituísse um
bem em si e promovesse real crescimento do país. Compramos os juros mais altos do mundo, pagamos os impostos mais altos do mundo e temos os serviços (saúde, comunicação, energia, transportes e outros) entre os piores do mundo. Mas palavras de ordem nos impelem para consumir, somos convocados a adquirir o supérfluo, até o danoso, como botar mais carros em nossas ruas atravancadas ou em nossas péssimas estradas. Além disso, a inadimplência cresce de maneira preocupante, levando famílias que compraram seu carrinho a não ter como pagar a gasolina para tirar seu novo tesouro do pátio no fim de semana. Tesouro esse que logo vão perder, pois há meses não conseguem pagar as prestações, que ainda se estendem por anos. Estamos enforcados em dívidas impagáveis, mas nos convidam a gastar ainda mais, de maneira impiedosa, até cruel. Em lugar de instruírem, esclarecerem, formarem uma opinião sensata e positiva, tomam novas medidas para que esse consumo insensato continue crescendo – e, como somos alienados e pouco informados, voltamos às compras. Somos uma sociedade alçada na maré do consumo compulsivo, interessada em “aproveitar a vida”, seja o que isso for, e em adquirir mais e mais coisas, mesmo que inúteis, quando deveríamos estar cuidando, com muito afinco e seriedade, de melhores escolas e universidades, tecnologia mais avançada, transportes muito mais eficientes, saúde excelente, e verdadeiro crescimento do país. Mas corremos atrás de tanta conversa vã, não protegidos, mas embaixo de peneiras com grandes furos, que só um cego ou um grande imbecil não vê. Não tenho esperança de que algo mude, mas deixo aqui meu quase solitário (e antiquado) protesto. (*) Copydesk-Fragment by Eugenio Santana, escritor, jornalista, publicitário, relações públicas, revisor de textos e ensaísta literário. Autor de cinco livros publicados. Da Academia de Letras do Noroeste de Minas (ALNM). Ex-Superintendente de Imprensa no Rio de Janeiro (2009-2011).

terça-feira, 27 de agosto de 2013

LA FENICE (*)

A Fênix possuía uma parte da plumagem feita de ouro e a outra colorida de um vermelho incomparável. A isso ainda aliava uma longevidade jamais observada em nenhum outro animal. Seu habitat era os desertos escaldantes e inóspitos da Arábia, o que justificava sua fama de quase nunca ter sido vista por ninguém. Quando a Fênix percebia que sua vida secular estava chegando ao fim, fazia um ninho com ervas aromáticas, que entrava em combustão ao ser exposto aos raios do Sol. Em seguida, atirava-se em meio às chamas para ser consumida até quase não deixar vestígios. Do pouco que sobrava de seus restos mortais, arrastava-se milagrosamente uma espécie de verme que se desenvolvia de maneira rápida para se transformar em uma nova ave, idêntica à que havia morrido. A crença nessa ave lendária figura na mitologia de vários e diferentes povos antigos, tais como gregos, egípcios e chineses. Apesar disso, em todas essas civilizações, seu mito preserva o mesmo significado simbólico: o renascer das próprias cinzas. Até hoje, essa idéia é bastante conhecida e explorada simbolicamente. Podemos restaurar o que os incêndios destroem em nossa vida? Às vezes. Em outras circunstâncias é melhor que as cinzas sejam esquecidas, para que algo completamente novo seja construído. Renascer é o processo por meio do qual você lamenta a sua perda e depois se levanta e começa tudo de novo. É um dos principais segredos para alcançar o sucesso. As pessoas realizadas são aquelas que nunca desistiram de tentar ser assim. Algumas vezes, como a Fênix, temos de renascer das cinzas, devemos passar pelo fogo e sair fortalecidos, renovados e renascidos.
(*) EUGENIO SANTANA, da Academia de Letras do Noroeste de Minas, é escritor, jornalista, publicitário, relações públicas, copydesk, verse maker; self-made man. Sócio da UBE-GO/SC – União Brasileira de Escritores e autor de cinco livros publicados, entre os quais “InfinitoEfêmero”. Ex-Superintendente de Imprensa no Rio de Janeiro (2009/11) É Consultor na Empresa MRV S/A. Imêio: eugeniosantana9@uol.com.br Cel. (34) 9297-6090

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

CARTA DO CÉU: LAÇOS DE AMOR INFINITO (*)

AMADO FILHO MEU, Quando passei daqui pra lá, eu sabia que o seu coração de escritor iria se partir e sua alma ficaria imolada. É aqui e não aí que eu moro; nas montanhas, nos campos, nos lagos, nos jardins cósmicos, no vôo quase imperceptível do colibri, nas asas diáfanas das borboletas, nos rios, córregos e riachos; nos pomares e nos mares do sem fim... Na chegada da Aurora e em cada Crepúsculo, nos pássaros, nas árvores e no céu azul, você ficará sabendo que ainda estou por perto. Eu parti seu coração, não há como desfazer isso; sofra agora, mas não permaneça muito tempo na escuridão. Se eu estivesse aí e você estivesse aqui, você claramente veria que você, Toninho, está bem aí e eu estou bem aqui, foi onde nós escolhemos estar. Caminhos da transcendência anímica... Portanto, dance, leia, escreva, cante e ria alto, como sempre fizemos em nossa ampla casa azul da querida Anápolis. Quando pegava a estrada rumo ao Rio de Janeiro, pra cumprir sua missão de Jornalista, eu apenas me recolhia na saudade e orava... Eu sei que é difícil não podermos desvendar os segredos do Invisível, mas saiba que eu estou bem aqui ao seu lado. E quando sentir vontade de chorar, tente sorrir por meio das lágrimas... Lembro quando você me dizia, filho querido: “Não mais Rosto Desfigurado, e sim: Rosto Iluminado.” Espero que você lembre que eu o amarei através dos séculos e milênios. Você está certo: eu e seu pai fundimos numa mesma Estrela e sei que todas as noites, com lágrimas incontidas, nos observa, agradece e pede perdão. E, quando estiver se sentindo sozinho e não souber o que fazer, feche os olhos e leia esta carta que eu lhe escrevi. Eu o amo, meu filho, (Adília Santana “das flores”)
(*) EUGENIO SANTANA é sensitivo, Místico Rosacruz Grau Superior, Maçom do GOIN – Grande Oriente Interno; é católico e ecumênico. Devoto de São Judas Tadeu, Santo Antônio de Pádua, São Francisco de Assis e São Miguel Arcanjo. Escritor, Jornalista, Ensaísta, Relações públicas e Publicitário; fundador da “Revista Cenário Goiano” e do Jornal “Verbo-pássaro”. Autor de livros publicados.